9.8.14

EVANGELHO – OÁSIS NO DESERTO... LUZ NA ESCURIDÃO









A vida é breve e incerta
A essência das coisas humanas é a impermanência
Incerto quanto ao futuro, o homem faz do hoje o seu tudo que há
E na sua estranha -e muito pecaminosa -, luta pela sobrevivência
Firma-se dia após dia, mais e mais, como lobo de outro homem
E assim, rápido, o amor vai se esfriando de todos os corações
A indiferença impera... O homem enlouquece
E as doenças da alma firmam as bases do seu império
Nas profundezas da mente humana
O mundo jaz no Maligno... Satanás gargalha...
O caos final se aproxima
E o justo grita: Até quando, Senhor? Até quando?
Em nossas ruas o crime anda de mãos dadas
Com o descaso político
E viver está se tornando cada vez mais um desafio incerto
O crime cresce... E a idade do criminoso decresce
A injustiça impera...
E pelas ruas... Becos e praças,
Cada um faz o que bem entende
Tudo que é sólido se desmancha no ar
As estatísticas de suicídio não param de crescer
E há guerras e rumores de guerras
Religião e Política contraem matrimônio
Templos são erguidos para o culto da vaidade humana
- E na contramão desse caos
Como única esperança para o ser humano
O Evangelho surge como um oásis no deserto
É Jesus Cristo ensinando no monte
Aos que ainda tem ouvidos para ouvir:
Bem-aventurados os humildes de espírito...
Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça,
Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça...
- E no meio do caos e da confusão, a sua voz não para de chamar:
Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim,
Que sou manso e humilde de coração;
E encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve
- E por todos os lugares - desorientados - os homens perguntam:
Que faremos com este Jesus, chamado Cristo?
VBMello