17.5.16

Palavras de vida eterna...

Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna.
(João 6:68)
- - -
Há muitos caminhos - e promessas - no mundo
Caminhos que conduzem a - supostos - lugares de refúgio
E caminhos que conduzem a - hipotéticos - lugares de prazer
Caminhos que conduzem a - duvidosos - lugares de poder 
E caminhos que conduzem a - cruéis - lugares de riqueza
*
Há muitas vozes no mundo
Hipotéticas vozes de alegria 
E incertas vozes de paz
E há convites para a mentira
E convites para julgar 
E condenar o inocente
Muitos convites para ter
Convites para fazer
E raros, raríssimos
Convites para ser
*
Sim, há muitos caminhos e vozes no mundo
Mas falta um caminho e uma voz essencial
No mundo não há caminhos de vida eterna
Nem convites - ou vozes de eternidade
*
A respeito das questões de vida eterna
O mundo só pode oferecer paliativos e placebos
Mas não pode dar - nem falar - do que não tem
Pois o caminho da eternidade - Jesus - ainda 
Permanece oculto aos olhos do mundo
Deste modo, sobre as coisas eternas
O mundo só consegue oferecer 
a impermanência dos discursos vazios
E as incertezas e os becos sem saída
De quem fala sobre coisas que não acredita...
*
O fato é que existem fomes e desejos - na alma humana
Que nada nesse mundo consegue saciar
A fim de manter o cativeiro dos seus filhos
O mundo faz o que pode para saciar essa fome
Oferece soluções temporais
Para problemas eternos
Investe na beleza e na conservação do corpo
Mas nada pode fazer - ou dizer - sobre a alma
Assim, depois de um tempo, qualquer pessoa 
Minimamente sensata descobre que
Todos os caminhos do mundo
São rasos, absurdamente frustrantes
E ineficazes para satisfazer, ainda que minimamente
As esperanças e fomes essenciais da alma
Descobre que os caminhos do mundo – todos eles
São caminhos que satisfazem os prazeres do corpo
Mas deixam a alma cada vez mais fragmentada, vazia e perdida...
*
Deste modo, invariavelmente, quem se vê na presença Jesus
Já rodou por muitos desses caminhos do mundo
Já se perdeu em muitos becos sem saída
Já comprou muito gato por lebre
Já comeu muito sebo pensando ser manteiga
Na tentativa de fugir dos seus vazios existenciais
Já se fartou de prazeres e muitas loucuras
Já tentou de tudo e se frustrou profundamente
Quando descobriu - na própria carne
Que o mundo – com as suas promessas 
De prazeres e paz - ao invés dar algum sentido real
Ainda que mínimo - para a vida
Como se esperava, como foi prometido
Só conseguiu piorar a situação
Gerando mais vazios, sofrimentos
Vergonhas, tristezas, pesos e arrependimentos...
*
Deste modo, sobrecarregado de fardos e vazios na alma
Quem se vê diante de Jesus e atenta para a graça
Humildade, verdade e leveza da sua vida e palavras
Quem coloca diante dele, os fardos da existência
Quem já experimentou a completa ineficácia 
Dos caminhos e promessas superficiais do mundo
E leva na alma – e na mente - as feridas abertas
De um mundo que jaz no Maligno
Sabe que encontrou o que procurava... 
Sabe que não existe mais lugar para ir ou procurar
Sabe que agora pode descansar e viver realmente a sua vida 
Pois está diante daquele único que tem palavras de vida eterna...
_VBMello