16.8.14

Quem ama, ama porque ama, e por nenhum outro motivo...

Aquele que jurou amor a uma mulher, em tempo algum irá jurá-la de morte, como se vê acontecer o tempo todo ao fim de alguns pseudos relacionamentos de amor.

O amor não é um título de propriedade sobre ninguém.  Todo direito que o amor me dá sobre o outro, é o mesmo direito que ele tem sobre mim mesmo.

Quem ama, ama o outro como se amasse a si mesmo, pois no amor, os dois se tornam um...
Quem ama não arde em ciúmes. Porquer arder em ciúmes é próprio de quem não ama, uma vez que amar é ter fé e esperança no outro...

Quem ama, não tenta desesperadamente transformar o outro na sua própria imagem e semelhança, mas ama porque o outro é quem ele é, e não quem ele idealiza... Porque amor idealizado é tudo, menos amor.

O amor não grita, não ameaça, não chantageia; o amor não range os dentes contra o outro. O amor apenas ama. Sim, quem ama, ama porque ama, e por nenhum outro motivo...

O amor não se porta inconvenientemente querendo fazer do outro um mero objeto da sua exploração.

Não, o amor não coisifica as pessoas, porque o amor, amor mesmo, é tudo aquilo que humaniza e liberta o outro para a liberdade dele ser plenamente o que ele nasceu para ser.

O amor não desumaniza as pessoas, cegando-as e transformando-as em animais que avançam uns sobre os outros.

Não, o amor não cega nem ensurdece. Na verdade o tempo em que amamos é o tempo em que melhor vemos, pois vemos com o coração. E quem alguma vez viu alguém com o terno olhar do coração e o ama, jamais o jura de morte... Pois lhe jurou amor
VBMello