10.8.14

A PROPOSTA DO EVANGELHO...

A proposta do Evangelho é muito simples... E, no entanto, impossível para qualquer pessoa que, confiando na sua própria justiça, busque alcançá-la pelos seus próprios méritos e força, porquanto é uma proposta de fé, esperança e amor, que transcende em muito a capacidade humana para realizá-la à sua própria maneira. E – nisso está o mistério da graça de Deus – em que, o que é impossível para o homem, seja perfeitamente possível para Deus. De modo que, a proposta do Evangelho - pela graça de Deus, e somente pela graça de Deus, sem a necessidade de qualquer barganha com Deus, uma vez que, toda tentativa de barganhar com Deus, é uma ofensa desavergonhada ao mistério da cruz -, torna-se uma proposta muito possível, simples, e fácil de alcançar, para toda
pessoa que, abrindo mão da sua justiça própria e da força do seu braço, num espírito quebrantado pela humildade e pela paz, crê e confia incondicionalmente na justiça e no amor de Deus...
Neste, isto é, na vida da pessoa que assim crê, a proposta do Evangelho se realiza de modo maravilhoso e incrível. E a proposta é esta: Que a pessoa possa viver uma vida livre, sem que jamais - para ser o que nasceu para ser -, tenha que recorrer ao ódio, mentira, inveja, calunia e hipocrisia... E que a individualidade da pessoa - o seu bem mais caro - não seja construída sobre valores escusos e perversos, dos quais não se pode falar em plena luz do dia... E que a pessoa assim bem disposta à proposta do Evangelho, para ser reconhecida pelos seus iguais como pessoa de espirito, verdade e amor, jamais, em hipótese alguma, tenha que fazer da sua pretensa espiritualidade, um circo, ou um bizarro motivo de exibicionismo... E que qualquer ajuda prestada a quem quer que seja, seja feita em silêncio, sem jamais chamar a atenção para si mesmo, pois ao que crê não importa crescer perante o admirado olhar humano, mas sim diminuir, uma vez que o Evangelho não é uma proposta de competição e ranking de espiritualidade... E que a vida pessoal com Deus seja discreta, sem exibicionismos de exercícios espirituais... E que a espiritualidade seja manifestada no trato sensível e sutil com as coisas, animais, plantas e pessoas deste mundo, pois não existe para nós outro mundo onde a nossa fé, esperança e amor possam ser compartilhados com quem deles tenha alguma necessidade... E que a fé, a esperança, e o amor, jamais sejam motivos de troca e lucro... E que os nossos inimigos e devedores sejam perdoado sem esperar que eles nos queiram bem por isso... E, sobretudo, que atos de pretensa bondade e santidade, jamais sejam usados para mascarar o abismo e a escuridão que habitam o nosso coração, uma vez que, sem exceção, de um modo ou de outro, publicamente, ou em secreto, somos aquilo que somos em nosso coração. Porque assim como o homem pensa e imagina em seu coração, ele é, e a hipocrisia não pode mudar isso, uma vez que o homem não apenas fala, vê, e ouve segundo o seu coração, mas sim que, em todas as dimensões da sua existência, ele vive segundo o seu coração. Enfim... A proposta do Evangelho é que a pessoa viva uma vida da qual não tenha nada do que se envergonhar quando se olhar no espelho, ou quando olhar em outros olhos mais puros que os dela. Portanto, a proposta do Evangelho, é que o coração e o olhar sejam puros e sem motivos de vergonha – como o olhar de uma criança -, pois delas é o Reino dos Céus; e que a consciência e o coração sejam livres, e o sorriso - e o abraço - também...
VBMello